Procedimento que deveria ser utilizado em todas as obras, a compatibilização de projetos auxilia na conferência dos projetos e ajustes das interferências que somente seriam observadas durante a execução da obra.

Sabe-se que, para a concepção do projeto executivo completo de uma edificação, são necessários vários projetos específicos, muitas vezes idealizados por diferentes profissionais. Além dos projetos arquitetônico, hidráulico, elétrico e estrutural, temos ainda projetos mais singulares, como o projeto de ar-condicionado, o projeto luminotécnico, entre outros. Normalmente, o projeto arquitetônico é a base para o desenvolvimento dos projetos complementares, mas em pouquíssimos casos existe uma comunicação eficaz entre os profissionais responsáveis por esses projetos, resultando em produtos completamente independentes.

A desconexão entre os projetos é um dos mais graves problemas enfrentados dentro de um canteiro de obras, visto que gera imprevistos, retrabalho e desperdício. Uma vez que as construtoras se deram conta do prejuízo que poderiam evitar, as etapas de planejamento vêm ganhando cada vez mais força dentro do processo de desenvolvimento de uma construção, e a compatibilização de projetos se mostra como um passo essencial para um bom planejamento.

Com a função principal de integração das soluções adotadas nos variados projetos de uma construção, a compatibilização de projetos é uma solução cada vez mais valorizada pelas empresas do ramo da construção. Com essa sobreposição, as divergências podem ser percebidas em tempo hábil para que a melhor solução seja encontrada, sem que sejam necessárias tomadas de decisão dentro do canteiro de obras.

O principal fator para a utilização do processo é a redução de custos. Estudos mostram que o investimento com a compatibilização pode representar entre 1 e 1,5% do valor da obra, enquanto a redução das despesas com as adequações durante a construção podem chegar a 10% deste valor. Além disso, a compatibilização também evita o desperdício de material e diminui o retrabalho, reduzindo em números significativos o tempo da obra.

“Além da redução do custo e do prazo da obra, a compatibilização dos projetos evita que soluções pensadas na obra prejudiquem a qualidade espacial e estética do edifício. Quando previstas, as incompatibilidades podem ser resolvidas da melhor maneira possível, de forma a não agredir as prioridades propostas para o cliente na concepção projetual. Quando o processo de compatibilização não é valorizado, os prejuízos construtivos vão muito além da questão financeira, principalmente no caso de quem está construindo um imóvel para utilização própria.”, explica a arquiteta Vanessa Spina, também sócia do escritório.

Para que compatibilização seja realmente vantajosa, é importante que os profissionais envolvidos no processo tenham conhecimento amplo na área de projetos e capacidade de coordenar esse material para sobrepor da melhor maneira possível os projetos da obra. Atualmente, já existem softwares que vislumbram essa integração dos projetos, trazendo a compatibilização dos mesmos desde o início da concepção.

Os BIM (Building Information Modeling) são softwares que admitem que seus utilizadores acrescentem informações relevantes sobre o processo de construção,  permitindo não só a visualização em 3D de todos os projetos sobrepostos, mas ainda a gestão de informação durante todo o ciclo de desenvolvimento da obra, prevenindo assim eventuais erros que possam ocorrem durante a elaboração do projeto.

A Plataforma BIM permite que sistemas variados sejam modelados em detalhes para mostrar como eles se encaixam e se sobrepõem em cada projeto.

No entanto, para que a plataforma BIM seja realmente eficaz em seu propósito, é necessário o envolvimento de todos os profissionais que participam do planejamento da obra, dentro de uma mesma linguagem que permita as sobreposições. Com a integração cada vez maior desses profissionais, os softwares BIM vão conquistando seu espaço, unificando os processos e otimizando o planejamento da obra em todos os setores.

“A plataforma BIM chegou para consolidar a consciência de que a compatibilização de projetos não precisa ser somente uma etapa de análise e reparo, posterior à elaboração dos projetos. A compatibilização deve ser um processo intrínseco ao desenvolvimento dos projetos, exigindo uma relação mais próxima entre todos os profissionais envolvidos.”, conclui.

A importância das etapas de planejamento da obra está cada vez mais clara, uma vez que otimiza as demais etapas, evitando imprevistos que podem prejudicar o produto final em diversos âmbitos.