Em pequenos ambientes ou nos mais amplos, os móveis planejados têm se tornado um aliado implacável da boa organização. No entanto, vale procurar um especialista para que não acabe com um armário inadequado ou sem funcionalidade.

 

A praticidade e a possibilidade de extensão para todas as áreas disponíveis da casa têm transformado os móveis planejados na opção mais procurada por quem busca por comodidade e pela otimização dos espaços. Se os móveis de dimensões padrão não se encaixam no ambiente de forma adequada ou não atendem completamente às suas necessidades, a solução é simples: adequar o armário ao ambiente desejado.

Mas, nem tão simples assim é a escolha e o planejamento desses móveis. Como as opções são incalculáveis, a possibilidade do resultado não ser o mesmo que se está imaginando com a mudança é ainda maior. A maioria das pessoas pensam apenas no posicionamento do armário, e não em sua finalidade. Ou quando pensam, têm dificuldade em estruturar e dimensionar o mobiliário para manter o espaço correto para cada objeto.

Na tentativa de evitar esse tipo de problema, os arquitetos têm se tornado referência para auxiliar no estudo dos espaços. “Quando somos procuradas para fazer o projeto de um mobiliário, fazemos um estudo completo das necessidades do cliente e da dinâmica de utilização de cada espaço, de forma a entender o que será colocado no armário e trabalhar as divisões internas da melhor maneira possível”, relata a arquiteta, Vanessa Spina. “Cada cliente tem particularidades que devem ser consideradas na hora de planejar os armários, de forma que o resultado final seja completamente personalizado e atenda à demanda apresentada de forma objetiva. Além disso, o arquiteto deve oferecer soluções projetuais que priorizem a adequação do mobiliário ao espaço existente e que garantam uma utilização confortável.”, conclui.

Além da estrutura do móvel, a escolha dos materiais também faz toda a diferença na hora de se pensar em um armário planejado. É importante escolher um material adequado para cada espaço, considerando não apenas os aspectos visuais, mas ainda fatores como a exposição ao sol e à umidade.

“As áreas molhadas, como as cozinhas e lavabos, estão se tornando cada vez mais pontos de destaque dentro das residências. São inúmeras as opções de materiais que podem ser utilizados nos armários para oferecer ainda mais identidade a esses ambientes, mas todo cuidado é pouco: é essencial que o planejamento inclua configurações e materiais resistentes à gordura, à umidade e à utilização de produtos de limpeza, por exemplo.” Além disso, “É fundamental que se pense, ainda, na visibilidade desejada para cada ambiente. As composições podem variar bastante entre cores vibrantes e neutras, fechamentos translúcidos e opacos, acabamentos brilhantes e foscos, portas de abrir ou de correr, etc, proporcionando diferentes ambiências de acordo com o desejo do cliente.”, explica.

O arquiteto ainda auxilia o cliente na apresentação do projeto junto à empresa que viabilizará a produção do mobiliário e supervisiona o processo de instalação para evitar qualquer alteração no projeto inicial.